Home Artigos e notícias Leilão com desconto de até 70%

Leilão com desconto de até 70%

26 de novembro de 2020

NULL

Os leilões de imóveis costumam fornecer oportunidades imperdíveis, especialmente para a compra de propriedades. O consumidor pode encontrar leilão com descontos de até 70%. Contudo, para comprar bens em leilão, é importante conhecer algumas medidas de segurança. Saiba mais!

Com a pandemia de Covid-19, muitas pessoas se viram em situação de vulnerabilidade financeira.

Um dos efeitos dessa situação foi o aumento no número de inadimplentes que, de acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e o Serviço de Proteção ao Crédito, chegou a 60 milhões de pessoas.

Como resultado, muitos bancos e instituições financeiras têm tomado imóveis, que são vendidos em leilões. Entre as diversas opções ofertadas, o consumidor pode encontrar casas, apartamentos, terrenos, depósitos e até mesmo, vagas de garagem.

Há opções residenciais, comerciais, industriais e rurais, com valores muito abaixo da média do mercado, sendo vendidas em leilão com descontos de 30% a 70%. Além disso, existe a possibilidade de parcelamento e financiamento.

Porém, é importante se preparar, pois comprar imóveis em leilões exige alguns cuidados. Siga na leitura para saber como arrematar propriedades de forma segura, sem perder a oportunidade de entrar em um leilão com descontos.

Como funciona o leilão de imóveis?

Antes de tudo, é importante ressaltar os dois diferentes tipos de leilão: o judicial e o extrajudicial.

No leilão judicial, o imóvel faz parte de um processo no qual a Justiça determina que o bem seja leiloado. Geralmente, o motivo é a falta de pagamento de alguma dívida. Quem rege o leilão nesse caso é o Código de Processo Civil.

Já no extrajudicial, o leilão ocorre quando o imóvel é garantia de um pagamento que o devedor não honra. Os responsáveis pelo leilão são os próprios credores, que costumam ser instituições financeiras e bancos.

O processo de compra em leilões é simples: são feitos lances a partir de um valor mínimo preestabelecido. Se não houver nenhum lance, há uma segunda etapa, na qual o valor mínimo é menor. A melhor oferta leva o bem.

Em todo caso, os leilões podem ser presenciais ou online, e possuem um edital com data, horário e preços. Além disso, é fundamental que a matrícula do imóvel esteja disponível para consulta

Também é fundamental o fornecimento de informações sobre o negócio, como as condições de pagamento e comissões remuneradas. O consumidor deve sempre ficar atento aos impostos aplicáveis sobre a compra.

Após se familiarizar com todas as informações sobre o imóvel, além da localização da propriedade, o comprador deve conhecer os procedimentos para a liberação do mesmo.

Nessa etapa, a orientação de um advogado especialista em Direito Imobiliário é uma grande vantagem. O profissional pode verificar a existência de processos relacionados à propriedade e a melhor forma de apropriação do bem.

Dicas para evitar problemas em leilões

Existem algumas medidas que podem ajudar o consumidor na hora de comprar em leilões.

  1. Avalie o imóvel

    Na maior parte dos casos, não é possível visitar o imóvel. No entanto, o comprador pode conhecer a parte externa ou visitar o edifício. Ademais, fotos e descrições da propriedade ficam disponíveis para consulta.

  2. Compare valores

    A compra de imóveis em leilões pode vir com algumas surpresas. Por isso, a oferta deve valer a pena. Dê uma olhada nas outras opções disponíveis (tanto em leilões quanto no mercado em geral) e compare valores.

  3. Considere seu orçamento

    Antes de fechar negócio, avalie se a oportunidade se encaixa na sua realidade financeira. Em alguns casos, é possível parcelar o valor ou financiar o imóvel, mas é importante analisar a dívida.

  4. Investigue o leiloeiro

    Para evitar dores de cabeça, certifique-se de que o leilão é autêntico e seguro. Procure conhecer o leiloeiro, sua reputação, clientes, etc. No caso de leilão online, confira a segurança do site.

  5. Conheça os custos adicionais

    Comprar em leilões pode exigir alguns gastos, como por exemplo, o pagamento de uma taxa ao leiloeiro de 5% do valor do imóvel. Além disso, existem casos que exigem assessoria jurídica, como os de necessidade de uma ação de desocupação.

Como funciona uma ação de desocupação?

O meio para a desocupação varia de acordo com o tipo de leilão:

Leilão judicial

Visto que nesse caso a penhora se trata de uma ação, a desocupação é mais simples, sendo responsabilidade da Justiça.

O primeiro passo é conseguir a carta de arrematação, documento que comprova a propriedade sobre o imóvel. Com a carta em mãos, o comprador deverá regularizar a transferência da propriedade no cartório de Registro de Imóveis.

Se não for possível fazer a desocupação de forma amigável, o proprietário pode pedir uma ordem de imissão de posse. O juiz então expedirá uma ordem de despejo e a Justiça fará a desocupação.

Contudo, o arrematante deve arcar com os custos com oficial de justiça, caminhão de mudança, depositário e outros elementos do processo.

Leilão extrajudicial

Antes de tratar da desocupação, o arrematante precisa fazer o registro da propriedade do imóvel em seu nome. Se a penhora for por alienação fiduciária, é possível fazer o pedido de imissão de posse, e o juiz define o prazo para a desocupação.

Não havendo desocupação, o proprietário pode ajuizar uma ação de despejo com pedido de liminar. Além da saída do ocupante, é possível cobrar o ressarcimento dos gastos com condomínio e IPTU durante a ocupação.

O arrematante também pode cobrar um percentual de 1% sobre o valor do imóvel como aluguel. O prazo para desocupação concedido pelo juiz é de até 60 dias.

Se não houver alienação fiduciária, o único meio é a ação judicial. Entretanto, antes disso é recomendável notificar o ocupante, concedendo um prazo de pelo menos 30 dias para a saída.

Quando contratar um advogado especialista em leilões?

O advogado especialista em Direito Imobiliário e Leilões é um importante aliado durante todo o processo de arremate. Isso porque, por meio da consultoria de um profissional, o comprador garante que está fazendo um bom negócio.

O advogado especialista oferece respaldo em situações adversas, como em caso de:

  • informações enganosas sobre o imóvel;
  • problemas com as condições de pagamento;
  • impossibilidade de financiamento/parcelamento de imóveis que garantiam esse benefício;
  • negativa de fornecimento de documentos pelo cartório;
  • anulamento de transferência do imóvel;
  • imóvel com ação judicial.

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direito Imobiliário. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581. É possível enviar documentos de forma totalmente digital.

0Shares
0