Home Artigos e notícias WhatsApp clonado: 5 passos para resolver o problema e indenização

WhatsApp clonado: 5 passos para resolver o problema e indenização

Saiba o que a vítima de clonagem de WhatsApp pode fazer para resolver seu problema, inclusive, judicialmente.

18 de fevereiro de 2022 - Atualizado 18/02/2022

Ter o WhatsApp clonado não é uma situação incomum: segundo um levantamento da empresa especializada em cibersegurança PSafe, cinco milhões de brasileiros foram vítimas do golpe em 2020.

O alto número de casos está ligado à simplicidade do golpe, que pode ser aplicado com poucas informações e recursos básicos. Em uma das modalidades da fraude, basta que o criminoso consiga o número do celular e engane a vítima.

Por isso, é importante tomar alguns cuidados, como:

  • evitar divulgar seu número em sites e aplicativos;
  • estar atento às medidas de segurança recomendadas pelos sites;
  • desconfiar de ligações de terceiros solicitando senhas ou outros.

Outro caminho comum para a clonagem de WhatsApp é a clonagem do chip. Nesse caso, o criminoso entra em contato com a operadora de telefonia e se passa pela vítima, obtendo acesso ao chip. Com isso, é possível usar o WhatsApp clonado em outro celular.

Nos dois casos, o principal objetivo é conversar com os contatos da pessoa que foi clonada e conseguir dinheiro. Para isso, o estelionatário se passa pela vítima e inventa algum problema para conseguir empréstimos.

Geralmente, o criminoso tem bastante tempo até a vítima do golpe perceber que está com o WhatsApp clonado. Além disso, é difícil que os contatos entendam que estão sendo enganados.

Assim sendo, é importante estar preparado e saber o que fazer diante da clonagem de WhatsApp. Dessa forma, é possível resolver a situação mais rápido e, assim, evitar prejuízos maiores.

Siga na leitura para saber como resolver essa situação em apenas 5 passos!

1. Desative sua conta do WhatsApp

O primeiro passo é cortar o acesso do golpista à conta do WhatsApp.

Para isso, a vítima deve solicitar a desativação do WhatsApp clonado e explicar o ocorrido à empresa fornecedora do serviço. Isso pode ser feito através do e-mail de contato do WhatsApp (support@whatsapp.com).

Após a solicitação, a conta que foi clonada deverá permanecer desativada durante trinta dias.

É possível recuperar a conta após ter o WhatsApp clonado?

Sim! Mas, para isso, o consumidor deve solicitar a reativação da conta dentro do prazo de trinta dias. Caso contrário, o WhatsApp apaga a conta definitivamente.

Para recuperar a conta, a vítima deve entrar em contato com a empresa novamente. Então, o WhatsApp enviará um código de 6 dígitos ao número vinculado à conta, por SMS.

O código deve ser utilizado pelo usuário para acessar sua conta. Feito isso, qualquer outra pessoa que estiver usando a conta será desconectada automaticamente.

2. Suspenda a linha telefônica

Para suspender a linha, é só entrar em contato com a operadora de telefonia, explicar a situação e pedir o corte temporário do serviço. Após a solicitação, o número deixará de funcionar em poucos minutos.

Preciso trocar de número?

Enquanto a situação não for resolvida, a vítima de WhatsApp clonado pode utilizar um número provisório. No entanto, caso queira manter seu número, é possível transferir a linha telefônica para outro chip após resolver o problema.

Para isso, é necessário ir pessoalmente em uma das lojas autorizadas da empresa de telefonia com documentos legais do titular da conta em mãos.

3. Registre um boletim de ocorrência

Também pode te interessar:

Ação por clonagem de celular
Operadora deve fornecer indenização por clonagem de chip
Clonagem de WhatsApp: qual a responsabilidade da operadora?

Registrar um boletim de ocorrência é importante para que a situação seja investigada. Embora seja difícil encontrar o criminoso e o dinheiro desviado pelo WhatsApp clonado, existe uma possibilidade.

whatsapp-clonado-saiba-como-resolver-o-problema-em-5-passos

Além disso, se a vítima decidir acionar a Justiça, o boletim de ocorrência também pode ser utilizado para comprovar o prejuízo sofrido.

4. Avise seus contatos

Caso suspeite que teve o WhatsApp clonado, o usuário deve procurar uma maneira de alertar seus contatos.

Como observado acima, os golpistas estão em busca de dinheiro e, ao avisar familiares e conhecidos, a vítima pode evitar que seus contatos caiam na conversa do estelionatário.

5. Procure a Justiça

Conforme já foi dito, existem diferentes maneiras de se clonar a conta de uma pessoa no WhatsApp.

Quando o WhatsApp clonado é oriundo da clonagem de chip, a operadora de telefonia se torna responsável pelo prejuízo causado ao consumidor e, por isso, a vítima pode processar a empresa, com o respaldo de um advogado especialista em Direitos do Consumidor.

Isso porque, nessa situação, o golpista passa pela verificação de identidade da operadora de telefonia para acessar o chip. Assim sendo, ocorre uma falha na prestação de serviço, pois a empresa deve zelar pela segurança do cliente.

Assim sendo, em caso de clonagem de chip seguida de clonagem de WhatsApp, a operadora deve ser responsabilizada.

A vítima de WhatsApp clonado. Tenho direito à indenização?

Sim! Caso tenha o WhatsApp clonado por culpa da operadora de telefonia, o usuário pode recorrer à Justiça com o pedido de indenização por danos morais e materiais.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), mesmo que a empresa não tenha culpa do ocorrido, ela deve responder pelo dano causado ao consumidor:

“Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa , pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

1º O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar , levando-se em consideração as circunstâncias relevantes , entre as quais:

I – o modo de seu fornecimento;

II – o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;

III – a época em que foi fornecido.

2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.

3º O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:

I – que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;

II – a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

4º A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa.”

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direitos do Consumidor. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581. O envio de documentos é totalmente digital.

Avatar
Relate seu caso online
Shares