Home Artigos e notícias Principais golpes de estelionato: saiba como se defender!

Principais golpes de estelionato: saiba como se defender!

09 de fevereiro de 2021

string(4) "topo"

Crimes de estelionato e fraude são muito comuns e podem pegar as vítimas pelo celular, internet e até mesmo pessoalmente. Conheça os principais golpes de estelionato e saiba como se proteger de criminosos.

Não é de hoje que golpistas e estelionatários abusam da falta de conhecimento sobre processos fraudulentos para fazer novas vítimas, mas em tempos de isolamento social esse tipo de crime parece ter “caído no gosto” dos mal intencionados.

De acordo com um levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), as tentativas de fraude financeira aumentaram em 80% durante a pandemia. Segundo a entidade, nesse período, golpes envolvendo links por e-mail foram muito utilizados por estelionatários.

No entanto, esse não é o único golpe de estelionato que tem assombrado a população. Os criminosos têm algumas cartas na manga para fazer novas vítimas na internet, por telefone e até pessoalmente.

Conheça os principais golpes de estelionato e saiba como se proteger para não cair em nenhuma emboscada!

O que é estelionato?

O estelionato ocorre quando uma pessoa usa informações enganosas e manipuladas para levar vantagem sobre alguém. Essa prática é considerada um crime patrimonial, mas se diferencia de outros delitos.

Isso porque em golpes de estelionato não há uso de força bruta: o golpe se apoia em artifícios e articulações para convencer a vítima a entregar algum bem por “vontade própria”, como por exemplo um imóvel, automóvel ou uma quantia em dinheiro.

No entanto, mesmo a vítima que concordar em ceder alguma coisa não anula o fato de o estelionato ser uma prática criminosa, prevista no Código Penal:

“Art. 171 – Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento:

Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.”

Estelionato é a mesma coisa que fraude?

Não. Embora sejam muito parecidos, o estelionato e a fraude são diferentes.

principais-golpes-de-estelionato-saiba-como-se-defender-2
Estelionato e fraude não são a mesma coisa!

Enquanto estelionatários enganam a pessoa para cumprir as exigências feitas por escolha própria, o crime de fraude pode envolver a obtenção e modificação de dados e não exige a participação ativa da vítima.

Principais golpes de estelionato: saiba como se defender!

De fato, há muita criatividade envolvida nos crimes de estelionato e os golpistas estão sempre pesquisando novas formas de fazer vítimas. Porém, existem alguns golpes mais recorrentes e é fundamental conhecê-los para se proteger.

Veja abaixo os principais golpes de estelionato e saiba como reagir a esses crimes:

Golpe do bilhete premiado

A vítima é abordada por dois homens. Um deles diz que está procurando uma lotérica e o outro, bem apresentado (geralmente com boas roupas e um bom carro), diz que possui um bilhete premiado, mas não pode receber todo o prêmio pois vai contra a sua religião.

Ele sugere que precisa de duas testemunhas (a vítima e o segundo golpista), e exige uma quantia em dinheiro como sinal de boa fé. Assim que recebe o dinheiro, ele dá uma desculpa e desaparece.

Como evitar: Recuse a proposta e saia de perto. Se houver alguma autoridade próxima, relate o ocorrido.

Golpe dos falsos fiscais

O estelionatário entra em contato com um dono de comércio alegando que é um fiscal da receita e que tem um lote de determinada mercadoria apreendida disponível para vender por um valor abaixo do mercado, fora de leilão.

Se despertar o interesse da vítima, o golpista marca um encontro em alguma instituição séria, como na Prefeitura, por exemplo. Então, eles negociam o valor da mercadoria e vão até um mercado que o criminoso diz ser parceiro da Receita.

Ali, outro criminoso se apresenta como gerente do local e o comerciante acaba acreditando na história e entrega o dinheiro aos golpistas. Mais tarde, ao retornar com o caminhão de frete, a vítima percebe que caiu em um golpe de estelionato.

Como evitar: Fique atento! Fiscais da Receita não podem tomar decisões independentes.

Golpe dos falsos agentes de saúde

Bandidos usando uniformes e crachás falsos vão de porta em porta e alegam que estão testando a população para detectar o Covid-19, acessando assim os imóveis. Os golpistas também fazem ligações que se identificam como agentes da Prefeitura e solicitam dados pessoais.

Como evitar: Não permita a entrada desses “agentes” e nem forneça dados. As secretarias de saúde não estão testando a população nem enviando agentes de saúde nas residências.

Golpe da troca de cartão

A vítima é abordada ao sair de uma agência bancária e o golpista alega que houve um erro na transação e pede para ver o cartão da vítima. Então, o estelionatário troca o cartão da vítima e vai embora.

Como evitar: Sempre confira seu cartão e veja se está digitando a senha no local correto. Fique atento ao campo de digitação da senha: ele deve mostrar apenas asteriscos!

Golpe do falso motoboy/cartão clonado

O criminoso, se passando por funcionário de banco, informa a vítima por telefone que seu cartão foi clonado. O falso atendente pede dados e a senha do cartão para que possa bloqueá-lo e recomenda que a vítima corte o cartão ao meio. Depois informa que um motoboy será enviado para retirar o cartão.

principais-golpes-de-estelionato-saiba-como-se-defender-3
Sem saber do golpe, a vítima entrega o cartão ao motoboy.

Visto que cortar o cartão ao meio não danifica o chip, os golpistas conseguem fazer compras pois possuem a senha.

Em alguns casos, em vez de pedir os dados, o criminoso pede que a vítima ligue para o 0800 que consta no verso do cartão. No entanto, o golpista continua segurando a ligação e coloca uma gravação simulando ser do banco. Assim, ele tem acesso aos dados da pessoa.

Como evitar: Nunca passe dados pessoais nem entregue seu cartão! Nenhum banco pede o cartão de volta nem retira o cartão no domicílio. Desligue o telefone e entre em contato com seu gerente.

Golpe da carta de crédito contemplada em consórcio

Criminosos soltam propagandas prometendo a liberação de crédito total para a compra de determinado bem mediante o pagamento de uma entrada. A vítima assina um contrato, paga a entrada e é orientada a aguardar até 90 dias para a transferência da carta de crédito, mas ela nunca ocorre e os criminosos somem.

Como evitar: confira no site do Banco Central se a instituição é autorizada a repassar a titularidade para outra pessoa. Não pague nada antes da aprovação do cadastro e exija a assinatura do contrato na sede da administradora. Peça os recibos das parcelas  já pagas e só então, assine-os.

Golpe do falso sequestro

A vítima recebe uma ligação e os golpistas simulam o sequestro de algum familiar da pessoa, com alguém gritando “socorro” e chorando ao fundo.

Como evitar: verifique se o suposto sequestrado está bem e, estando tudo certo, desligue o telefone.

Golpe do parente que quebrou o carro

O golpista se passa por algum familiar da vítima e diz que quebrou o carro e precisa de dinheiro ou recargas de celular para resolver a situação.

Como evitar: desligar o telefone e entrar em contato com o parente em questão para confirmar os fatos.

Golpe do intermediador de vendas

O golpista pega o telefone de alguém em um site de vendas e diz que se interessou pelo bem, pedindo para o anúncio ser removido da plataforma. O criminoso cria então um anúncio com as fotos do bem da vítima e um preço chamativo.

Ao vendedor, o estelionatário diz que pagará uma dívida com outra pessoa e pede discrição no momento da transação do bem. Ao comprador, ele também pede silêncio, prometendo um desconto.

Então, ele fornece contas bancárias diferentes e orienta as vítimas a irem até o cartório preencher o recibo do bem. No entanto, já no cartório, os envolvidos descobrem que foram vítimas de estelionato, pois os recibos já estão preenchidos.

Como evitar: sempre tirar dúvidas e nunca fazer depósito na conta corrente do anunciante. Jamais mantenha silêncio em negociações.

Golpe do parente internado

A vítima recebe uma ligação dizendo que o plano de saúde não irá cobrir as despesas de algum parente internado e que é necessário um depósito para garantir o tratamento.

Como evitar: entre em contato com a operadora e confirme a informação.

Golpe do whatsapp clonado

Os criminosos, disfarçados de sites de compra e venda de produtos, entram em contato com a vítima e solicitam um código para ativar o anúncio. Acontece que, na verdade, o código é uma verificação do WhatsApp que será utilizada para ativar a conta da vítima no aplicativo da vítima em outro aparelho.

Assim, o WhatsApp da pessoa para de funcionar e os criminosos se passam por ela para cometer o crime de estelionato, pedindo dinheiro a parentes e amigos.

Como evitar: habilite a “confirmação em duas etapas” no WhatsApp e jamais envie o código de 6 números para ninguém. Se já tiver caído no golpe, entre em contato com o suporte do WhatsApp, peça a desativação temporária de sua conta e explique a situação.

Golpe do falso leilão

As vítimas se cadastram em sites de leilões fraudulentos e acabam fornecendo cópias de documentos pessoais e dados para confirmar o registro. Ao acompanhar o leilão, a pessoa faz lances que costumam ganhar a oferta e a vítima recebe uma carta de arrematação.

Nessa carta, há dados bancários de pessoas físicas (laranjas) e, após a vítima efetuar o pagamento, os criminosos a bloqueiam para não receber tentativas de contato.

Como evitar: só forneça informações por meio de canais oficiais de leilão.

Golpe do falso namorado

Os bandidos escolhem uma pessoa em um site de relacionamento e engatam um romance virtual com a vítima que, após estar emocionalmente envolvida, envia presentes e quantias em dinheiro.

Há também golpes de estelionato em que o criminoso se passa por estrangeiro e diz que está enviando um presente. Um tempo depois, outro golpista se passa por funcionário dos Correios e afirma que o presente ficou preso na alfândega, sendo necessário pagar uma alta quantia para a liberação.

Como evitar: sempre tente encontrar a pessoa pessoalmente em local público para confirmar que ela é quem diz. Nunca transfira dinheiro para namorados virtuais.

Golpe do falso boleto

Criminosos descobrem os interesses de suas vítimas por meio das pesquisas que a pessoa faz na internet e enviam boletos falsos por e-mail, referentes a esses interesses. Ao pagar o boleto, o valor vai para a conta dos bandidos.

Como evitar: se receber um boleto inesperado, converse com o seu gerente. Sempre verifique se as contas, valores, datas de vencimento e outros dados na tela de pagamento coincidem com os disponibilizados no boleto.

Golpe do falso site de compras

Nesse golpe de estelionato, a vítima entra em um site de compras falso que possui um layout parecido com o de uma marca real. No entanto, o item comprado nunca chega e o dinheiro cai na conta do golpista.

principais-golpes-de-estelionato-saiba-como-se-defender-4
Esse tipo de golpe é muito popular durante a Black Friday.

Como evitar: verifique o endereço eletrônico, pesquise a reputação da empresa e desconfie de valores muito baixos.

Como denunciar um estelionatário?

Saiba quem a vítima de estelionato deve procurar e o que ela deve fazer para se defender do golpe:

  1. Reúna provas do dano sofrido

    Guarde conversas, mensagens, ligações, endereços de e-mail, recibos, números de conta, boletos e qualquer outro documento que comprove o crime de estelionato.

  2. Registre as provas

    Ao utilizar um documento digital em uma denúncia, pode ser necessário fazer o registro da prova. Para isso, a vítima pode utilizar um serviço de verificação de provas digitais online, como por exemplo o Verifact e o OriginalMy.

  3. Registre uma ata notarial

    Além do registro online, é recomendável procurar um cartório para fazer uma ata notarial das provas, documento que declara a veracidade das evidências apresentadas.

  4. Faça um Boletim de Ocorrência

    Por fim, é necessário levar as provas até uma delegacia e fazer uma denúncia para dar início às investigações.
    Se o crime for online, é recomendável que a vítima opte por uma delegacia especializada em crimes cibernéticos. Além disso, em golpes de estelionato envolvendo empresas, é possível fazer uma denúncia na Delegacia do Consumidor (Decon).

Fique atento!

A informação é a melhor forma de se proteger de estelionato e fraude. Por isso é fundamental se manter informado sobre os tipos de golpes atuais e os meios para defesa.

Ainda que os criminosos sejam muito espertos e rápidos, ao questionar o que está acontecendo, a vítima pode pegar o golpista desprevenido e ele acaba se perdendo na própria mentira.

Não se esqueça também de verificar as fontes das informações recebidas! Confira endereços de e-mail, números de telefone, nomes de empresas e o que mais estiver disponível para verificar a veracidade do contato.

Escritório Rosenbaum tem vasta experiência no setor de Direitos do Consumidor e pode ser contatado por meio de nosso formulário no siteWhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581.

Imagens: Rawpixel

0Shares
0