Home / Artigos e Noticias / Justiça condena a TAP Air Portugal a indenizar passageira que não conseguiu viajar na pandemia de covid-19

Justiça condena a TAP Air Portugal a indenizar passageira que não conseguiu viajar na pandemia de covid-19

Direito Aéreo
Cliente da TAP Air Portugal é impedida de voar.
Avatar

Redação

junho 24, 2024

No mundo atual, onde viagens aéreas são uma constante para muitos, a confiabilidade das companhias aéreas é essencial. No entanto, nem sempre as empresas cumprem com suas obrigações, causando transtornos significativos aos passageiros. Foi o que aconteceu no caso envolvendo a TAP Air Portugal, que culminou em uma decisão judicial favorável à consumidora.

Em meio à pandemia de Covid-19, uma passageira adquiriu passagens aéreas de ida e volta para Tel Aviv com a TAP Air Portugal. O voo estava programado para partir em 7 de maio de 2020. Infelizmente, devido às restrições impostas pela pandemia, a companhia aérea cancelou o voo. Como compensação, a TAP emitiu um voucher no valor de R$3.755,00, válido até 11 de abril de 2022.

Buscando ainda realizar sua viagem, a passageira comprou novos bilhetes com saída em 16 de fevereiro de 2022 e retorno em 27 de fevereiro de 2022, arcando com a diferença de R$2.592,03 entre o valor do voucher e o custo das novas passagens.

No entanto, com a chegada da variante Omicron, a TAP novamente cancelou os voos. A companhia aérea se recusou a estender o prazo do voucher, impossibilitando a passageira de reagendar a viagem dentro do período estipulado.

A viajante, frustrada com a situação, solicitou o reembolso integral das passagens. Contudo, a TAP ofereceu apenas R$2.256,72, valor que não foi imediatamente devolvido. Mesmo após tentativas de resolução através do Procon, a empresa continuou a negar a restituição total.

A busca por um advogado e a ação judicial contra a TAP Air Portugal

Diante da negativa da TAP em resolver a questão amigavelmente, a passageira decidiu procurar um advogado especializado em direito do consumidor. A situação exigia uma intervenção jurídica, visto que a empresa se negava a restituir integralmente os valores desembolsados pela cliente, mesmo após reclamações formais junto ao Procon.

A passageira então ajuizou uma ação de indenização e apresentou documentação que comprovava a compra das passagens, os cancelamentos e as tentativas frustradas de resolução.

A TAP Air Portugal apresentou contestação, alegando prescrição bienal com base na Convenção de Montreal, argumentando que os eventos ocorreram em maio de 2020 e a ação só foi ajuizada em janeiro de 2023. Além disso, a companhia alegou que a passagem havia sido comprada por intermédio de uma agência de viagens, o que, segundo a empresa, afetaria suas responsabilidades diretas.

A TAP também afirmou que o cancelamento dos voos se deu por motivo de força maior, no caso, a pandemia de Covid-19, e que a emissão do voucher e a política de reembolso estavam de acordo com a legislação vigente, especificamente a Lei 14.034/20. A empresa destacou ainda que já havia restituído parte do valor à passageira, e que não haveria dano moral a ser compensado.

Decisão do tribunal

O caso foi julgado pela 39ª Vara Cível do Foro Central Cível de São Paulo. O tribunal reconheceu que os voos foram cancelados devido à pandemia, o que originou a emissão de um voucher.

No entanto, a tentativa subsequente da passageira de realizar a viagem e o novo cancelamento, seguido pela recusa da TAP em estender o prazo de utilização do voucher, constituíram uma falha no atendimento ao consumidor.

O juiz rejeitou a alegação de prescrição da TAP, baseando-se no fato de que a pretensão da passageira só se tornou exigível após a recusa da empresa em reembolsar integralmente os valores pagos, ocorrida em abril de 2022. Consequentemente, a ação movida em janeiro de 2023 estava dentro do prazo legal.

A sentença determinou que a TAP deveria restituir à passageira a quantia de R$4.090,31, além de juros e correção monetária. O tribunal também condenou a empresa ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios.

O caso ilustra a importância de os consumidores conhecerem e reivindicarem seus direitos. A decisão é um precedente significativo para outros passageiros que enfrentem problemas semelhantes com companhias aéreas.

A TAP Air Portugal foi considerada negligente ao não proporcionar alternativas viáveis para a utilização do voucher e ao recusar o reembolso integral após o cancelamento dos voos.

Além disso, a decisão judicial destaca que a empresa não pode se esquivar de suas responsabilidades alegando força maior indefinidamente, especialmente quando há um claro prejuízo ao consumidor. O tribunal deixou claro que a recusa em estender o prazo do voucher e a oferta de um reembolso parcial foram inadequadas.

Os consumidores devem estar atentos aos seus direitos e buscar apoio jurídico quando necessário. A ação judicial mostrou-se uma ferramenta eficaz para a passageira recuperar seu investimento e responsabilizar a empresa por suas falhas.

Informações principais

A decisão foi proferida em 19 de junho de 2024 pela 39ª Vara Cível do Foro Central Cível de São Paulo, no processo número 1007574-48.2023.8.26.0100. O juiz responsável foi Celso Lourenço Morgado. Cabe ressaltar que a sentença ainda está sujeita a recurso no tribunal.

Avatar

Redação

MAIS ARTIGOS

Notícias e Artigos relacionados

Nossa reputação é de excelência em serviços jurídicos

Avaliação dos clientes
Joao Emmanuel
Joao Emmanuel
11/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Tive uma empecilho com a United e a Rosenbaum foi bastante rápida e agil para cuidar do meu caso. Escritório muito prestativo e claro durante todo processo.
Matheus Garcia
Matheus Garcia
11/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
O serviço de advocacia foi excelente e meu processo foi resolvido com êxito. Parabéns a toda equipe.
Amanda Evangelista Gaddini
Amanda Evangelista Gaddini
10/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Por meio de uma amiga, conhece a Rosenbaum advogados. Este ano tive um problema em uma viagem de Orlando para Sp. Devido a um erro na Delta e consequentemente na Latam perdi meu voo e quase nao consegui voltar para SP a tempo. Nao achei que poderia dar alguma coisa, mas após conversar com os advogados da Rosebaum que me informaram tudo corretamente como funciona cada passo, acabei entrando em processo com essas duas empresas. O escritório e excelente, nao nos deixam sem respostas, todas as duvidas que tive foram todas esclarecidas, tiveram a maior paciencia comigo durante todo o processo. Cada passo que era esclarecido entre a empresa e os advogados eles sempre me deram o feedback. Eu só tenho a agradecer, estamos na segunda etapa mais estou muito confiante que estou em ótimas mãos para cuidar desse processo. Amanda
Gustavo Kanashiro
Gustavo Kanashiro
09/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Estou muito satisfeito com o resultado e com o profissionalismo demonstrado pela equipe da Rosenbaum Advogados. Muito obrigado
Roberta Bezerra
Roberta Bezerra
08/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Excelente a minha experiência com essa empresa de advocacia ! Eles são super atenciosos e respondem sempre as mensagens. Os processos de envio dos documentos são simplificados. Recomendo MUITO !
Adailton Alves dos Santos
Adailton Alves dos Santos
01/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Rosenbaum é mais que uma empresa, é um grupo de amigos preocupados com seu bem estar.
Henrique Cerquinho
Henrique Cerquinho
01/07/2024
Trustindex verifica se a fonte original da avaliação é Google.
Ótima experiência, nos ajudaram em todo o caminho do processo, sem riscos e tudo bem explicado.
ROSENBAUM ADVOGADOS

Fale com a nossa equipe de especialistas, e dê o primeiro passo rumo à solução dos seus desafios.

FALE CONOSCO
Relate seu caso online
Shares
Atendimento Rosenbaum Advogados

Atendimento Rosenbaum Advogados

Olá! Podemos ajudá-lo(a)? Teremos prazer em esclarecer suas dúvidas.
Whatsapp