Ação de despejo com liminar

Saiba como funciona uma ação de despejo e quando cabe o pedido de liminar. O locador de um imóvel, por diversas razões, pode não ter mais interesse na continuidade da

Home Advogado Especialista em Direito Imobiliário Ação de despejo com liminar

Saiba como funciona uma ação de despejo e quando cabe o pedido de liminar.

O locador de um imóvel, por diversas razões, pode não ter mais interesse na continuidade da locação. E logicamente, espera que o imóvel seja desocupado no menor espaço de tempo possível.

A Lei do Inquilinato (lei 8.245/91), no artigo 59, parágrafo primeiro, incisos I a IX, elenca as hipóteses em que se permite a concessão da liminar nas ações de despejo. Confira quais são essas situações!

Quanto tempo demora uma ação de despejo?

O tempo de duração da ação pode variar de acordo com o motivo pelo qual o inquilino deve desocupar o imóvel. Geralmente, os processos têm entre 6 e 12 meses de duração.

Leia também:

O que é ação de despejo?
Despejo: como funciona a ação judicial?
Cuidados na locação, venda e compra de imóveis

Quando vale a pena entrar com uma liminar?

A situação mais corriqueira de despejo se dá em razão da falta de pagamento do aluguéis e acessórios, tais como: condomínio, água, luz, entre outros.

Normalmente, em referida situação, o contrato de locação é realizado sem as garantias de fiança, caução ou seguro-fiança. Em alguns casos, até havendo depósito caução, o valor depositado como garantia já é menor do que o valor dos aluguéis não pagos pelo inquilino.

Considera-se, então, como se a garantia sequer tenha sido realizada, eis que tal situação prejudica o locador de duas maneiras:
não obter a contraprestação pelo aluguel do imóvel alugado,
– ter de pagar as despesas da manutenção deste.

Visto que nessas condições o locador é prejudicado, há certa urgência para a desocupação do imóvel, cabendo então o pedido de liminar.

Lei de locação: como funciona o despejo?

Após ser informado sobre despejo, o inquilino deve deixar o imóvel dentro do prazo, que deve constar na notificação.

Geralmente, a Justiça concede entre 15 e 30 dias para a desocupação, mas esse período pode variar de acordo com as peculiaridades de cada ação de despejo com liminar.

Se o morador não cumprir com a sua obrigação, pode ser necessário acionar a polícia para a desocupação involuntária da propriedade.

Como ajuizar a ação?

Para ingressar com uma ação de despejo com liminar, o inquilino poderá buscar a consultoria de um advogado especializado em ações de Direito Imobiliário.

A jurisprudência, na defesa do locador que não recebe seu crédito, tem entendido pela concessão da liminar quando a caução já foi consumida pela inadimplência do locatário:

Despejo por falta de pagamento. Contrato de locação garantido por caução que se esvaziou em face da dívida. Liminar prevista no art. 59, § 1º, inc. IX, da Lei nº 8.245/91, concedida. Recurso provido” (A.I.: 2231309-65.2016.8.26.0006)

Locação residencial. Ação de despejo por falta de pagamento cumulada com cobrança. De acordo com o art. 59, § 1º, IX, da Lei nº 8.245/91, com redação dada pela Lei nº 12.112/09, é possível a concessão liminar do despejo quando, inadimplidos aluguéis e encargos locatícios, o contrato, por qualquer motivo, não possuir garantia. No presente caso, a garantia prestada (R$2.000,00) foi superada pelo valor do débito locatício (R$3.962,81, em outubro de 2016), devendo ser considerada extinta, pois não se mostra hábil a assegurar o recebimento do crédito pelo locador. A efetivação da liminar de despejo, contudo, está condicionada à prestação de caução pelo locador, correspondente a três meses de aluguel. Recurso provido, com observação.“(A.I.: 2227207-97.2016.8.26.0000)

Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direito Imobiliário. O contato pode ser feito através do formulário no siteWhatsAppou pelo telefone (11) 3181-5581. É possível enviar documentos de forma totalmente digital.