Home / Artigos e Noticias / O que é a junta médica do plano de saúde?

O que é a junta médica do plano de saúde?

Direito à Saúde
o-que-e-a-junta-medica-do-plano-de-saude
Avatar

Redação

setembro 30, 2022

Quando é feita uma solicitação de cobertura de tratamento, ocorre análise do pedido, geralmente através de uma junta médica do plano de saúde, que avalia a indicação e a viabilidade do custeio.

Essa comissão faz um trabalho muito importante e sua decisão tem o poder de causar um grande impacto na saúde do beneficiário. No entanto, muitas pessoas ainda não sabem o que é e qual é o papel de uma junta médica do plano de saúde.

Se esse é o seu caso, siga na leitura e esclareça suas dúvidas!

O que é uma junta médica?

A junta médica é uma comissão formada diante de solicitações divergentes, em que o médico assistente prescreve determinado tratamento e o plano de saúde questiona a indicação diante do pedido de cobertura pelo paciente.

Nessa situação, a junta médica é reunida para avaliar o pedido do paciente e a prescrição médica apresentada. Por fim, a comissão é encarregada de recomendar ou não a cobertura do tratamento pelo plano de saúde.

Como é formada ]a junta médica do plano de saúde?

A formação de uma junta médica deve estar dentro do que define a Resolução Normativa nº 424/2017 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que prevê as seguintes normas:

  • toda junta médica deve ser formada por 3 (três) profissionais: o médico assistente, o profissional da operadora e o desempatador;
  • a escolha do desempatador deve ser feita em acordo entre o médico assistente e o profissional da operadora;
  • o tempo para procedimento não pode ultrapassar os prazos máximos de garantia estipulados pela ANS na Resolução Normativa nº 259/2011.

Casos em que a junta médica não deve ser formada

A RN n° 424/2017 também prevê os casos em que não se deve formar uma junta médica. São eles:

  • situações de urgência ou emergência;
  • procedimentos que não estão previstos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde ou em contrato;
  • quando há indicação de órteses, próteses e materiais especiais (OPMEs) usados apenas em procedimentos que não estão cobertos pelo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde.

Quanto tempo a análise da junta médica leva?

Isso varia de caso para caso, mas, segundo a Resolução Normativa n° 259/2011 da ANS, existem prazos máximos. São eles:

  • 7 dias úteis para consulta básica, que envolvem clínica médica, pediatria, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia;
  • 14 dias úteis para consultas realizadas nas demais especialidades médicas;
  • 10 dias úteis para sessão com fonoaudiólogo, nutricionista e psicólogo;
  • 10 dias úteis para consulta com terapeuta ocupacional e fisioterapeuta;
  • 7 dias úteis para consultas e procedimentos realizados em consultório com cirurgião dentista;
  • 3 dias úteis para serviços de diagnóstico por laboratórios de análises clínicas em regime ambulatorial;
  • 10 dias úteis para demais serviços de diagnóstico e terapia, também em regime ambulatorial;
  • 21 dias úteis para procedimentos considerados de alta complexidade;
  • 10 dias úteis para atendimento em regime hospital-dia;
  • 21 dias úteis para atendimento em regime de internação eletiva.

Como é feita a análise do pedido?

Diante de um pedido de autorização de tratamento, a operadora deve notificar o paciente e o médico em caso de discordância, esclarecendo o motivo através de um laudo desenvolvido por outro médico.

Além do laudo, a notificação também deve conter uma lista com outros quatro profissionais para caso o médico assistente discorde do laudo fornecido pela operadora de saúde.

Assim, o médico do paciente pode escolher um desses quatro profissionais para compor a junta médica como desempatador. Se a decisão não for apresentada em dois dias úteis, a operadora de saúde pode escolher o desempatador.

Após a designação do desempatador, este receberá os documentos necessários para avaliação e deverá se manifestar dentro de dois dias úteis, se a documentação for insuficiente ou se for necessária a presença do beneficiário na junta.

Passado esse período, não é mais possível alegar insuficiência de exames ou requisitar a presença do beneficiário.

Então, deve ser feita a análise dos documentos e o desempatador deve elaborar um parecer técnico com a sua decisão de recomendar ou não o procedimento. De acordo com a ANS, essa decisão é indiscutível e deve ser executada pelo médico do paciente.

Caso o médico não aceite a decisão, a operadora de saúde deve encaminhar o beneficiário a outro profissional que se disponha a realizar o tratamento, conforme o que foi decidido pelo médico desempatador.

E se ocorrer a liberação por junta médica?

A saúde e o bem-estar do paciente não são os únicos pontos em consideração quando uma junta médica é reunida: também são considerados os custos do tratamento e como o seu fornecimento impacta a operadora de saúde.

Por isso, infelizmente, não autorização do tratamento indicado pelo médico assistente não é uma ocorrência incomum.

Quando isso ocorre, é comum que os profissionais recomendem outro método terapêutico, em substituição ao tratamento não aautorizado. Mas, o problema é que, muitas vezes, as alternativas nem sempre são tão benéficas ao quadro clínico do paciente, embora sejam mais baratas.

Como resultado, o paciente é submetido a uma terapia menos eficaz ou com mais efeitos colaterais, e fica com a saúde fragilizada. Além disso, todo o esforço e estudo de caso realizados pelo médico assistente são desperdiçados.

Nesse sentido, muitos beneficiários que se deparam com essa situação têm procurado a Justiça que, por sua vez, tem entendido que a prescrição do médico assistente prevalece ao entendimento da junta médica e garantido o direito à cobertura da terapia pelo plano de saúde.

Qual a jurisprudência sobre esses casos?

Como esclarecido acima, o Poder Judiciário tem decidido favoravelmente aos pacientes. Confira:

Ementa: PLANO DE SAÚDE – OBRIGAÇÃO DE FAZER C.C. PEDIDO DE TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA – Autora que apresenta quadro de lombociatalgia bilateral com indicação de realização de procedimento cirúrgico denominado artrodese lombar – Negativa da ré, sob alegação de que não houve aprovação de todos os materiais indicados, por junta médica – Abusividade – Plano de saúde que não pode determinar o tratamento a ser realizado pelo paciente – Cirurgia prescrita pelo profissional que acompanha a autora – Procedimento necessário ao tratamento de doença coberta pelo contrato – Obrigação de autorização para realização da cirurgia – Súmula nº 102 deste Tribunal de Justiça – Compete ao médico que atende o beneficiário analisar os materiais que entende necessários à cirurgia – Proibida a exclusão de cobertura de material ligado ao ato cirúrgico – Art. 10, VII, Lei nº 9.656/98 – Sentença mantida – Honorários sucumbenciais devidos pela ré que devem majorados conforme previsão contida no Artigo 85 do Código de Processo Civil, diante do trabalho adicional realizado em grau recursal – Recurso improvido.” (TJSP;  Apelação Cível 1004843-09.2022.8.26.0361; Relator (a): Salles Rossi; Órgão Julgador: 8ª Câmara de Direito Privado; Foro de Mogi das Cruzes – 5ª Vara Cível; Data do Julgamento: 12/09/2022; Data de Registro: 12/09/2022)

Como ajuizar uma ação ?

Para ajuizar a ação, é recomendável buscar a orientação de um especialista . Além disso, o paciente deve reunir alguns documentos:

  • a prescrição médica e o relatório médico demonstrando que o tratamento negado é o mais indicado para o seu caso, justificado através de estudos científicos (quanto mais detalhes o médico incluir no relatório, melhor);
  • a negativa de cobertura por escrito (ou então o protocolo de atendimento caso a recusa tenha sido informada por ligação);
  • comprovantes de pagamento (caso o paciente tenha sido obrigado a arcar com as próprias despesas) para solicitar reembolso;
  • o comprovante de residência;
  • a carteirinha do plano de saúde;
  • o contrato com o plano de saúde (se possível);
  • cópias do RG e do CPF;
  • comprovantes de pagamentos das mensalidades (geralmente as duas últimas).

Cabe uma liminar nesse caso?

Um processo judicial contra o plano de saúde leva, em média, de seis a 24 meses para ser julgado. No entanto, muitos pacientes precisam iniciar o tratamento de imediato e, por isso, não podem aguardar tanto tempo pela autorização.

Se esse for o caso do segurado e ele precisar recorrer à Justiça para conseguir o tratamento, é possível agilizar o processo. Para isso, o beneficiário pode ajuizar a ação com o pedido de liminar, que é uma decisão concedida pelo juiz em caráter provisório dentro de poucos dias.

Nosso escritório tem vasta experiência e o contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581.

Todo o envio dos documentos e os trâmites do processo são feitos de forma digital, sem necessidade da presença do cliente.

Imagem em destaque: Freepik (DCStudio)

Avatar

Redação

MAIS ARTIGOS

Notícias e Artigos relacionados

Nossa reputação é de excelência em serviços jurídicos

Avaliação dos clientes
Bruno Mossmann
Bruno Mossmann
15/05/2024
Contatei o escritório para entrar com uma ação contra uma empresa aérea e desde o início do processo fui muito bem assessorado, sempre recebendo respostas rápidas. Agradeço ao Dr. Daniel e à equipe pela ação ganha!
Israel
Israel
14/05/2024
O atendimento do escritório é excelente. Agradeço em especial à Manoela, que me passou diversos direcionamentos mesmo tendo me informado que não seria interessante seguir com o processo.
Aurelio Hugen
Aurelio Hugen
14/05/2024
Excelente escritório. Recuperei o $ de passagem aérea que achei que jamais veria novamente. Ótima comunicação. Tudo resolvido virtualmente pois estou em Curitiba e eles em São Paulo. Recomendo demais.
Kleisya Fernandes
Kleisya Fernandes
13/05/2024
Empresa com profissionais excelência, atenciosos, competentes. Minhas causas com planos de saúdes foram resolvidas com sucesso.
Leo Brito
Leo Brito
09/05/2024
Fui muito bem assessora do início ao fim pelo Dr. Celso Fischer. Resolveram meu caso contra seguradora. Super indico, são especialistas no que fazem. Nota 10!!!
Piti Tomé
Piti Tomé
08/05/2024
Ótimo escritório, eficiente e atencioso. Ganhamos a causa e todo o processo levou menos de 3 meses. Recomendo fortemente!
Fujihei Autocenter
Fujihei Autocenter
07/05/2024
Causa ganha contra plano de saúde. Excelente trabalho da equipe de profissionais da Rosenbaum Advogados. Obrigado.
Mariana Sanchez
Mariana Sanchez
07/05/2024
Sem dúvida alguma o melhor escritório de advocacia que eu tive o prazer de encontrar! Foram honestos e claros desde o início do processo, até o final que veio com uma VITÓRIA!!! O processo correu super rápido graças a agilidade deles, indico de olhos fechados
ROSENBAUM ADVOGADOS

Fale com a nossa equipe de especialistas, e dê o primeiro passo rumo à solução dos seus desafios.

FALE CONOSCO
Relate seu caso online
Shares
Atendimento Rosenbaum Advogados

Atendimento Rosenbaum Advogados

Olá! Podemos ajudá-lo(a)? Teremos prazer em esclarecer suas dúvidas.
Whatsapp