Home Artigos e notícias Mekinist® (Trametinibe) pelo plano de saúde

Mekinist® (Trametinibe) pelo plano de saúde

Havendo recomendação médica, a cobertura do Mekinist® (Trametinibe) pelo plano de saúde é um direito do paciente.

24 de maio de 2021

string(5) "fundo"

Bula do Mekinist® (Trametinibe): principais informações

O Mekinist® (Trametinibe) é um medicamento usado em combinação com Tafinlar® (Dabrafenibe) para tratar pacientes diagnosticados com melanoma (câncer de pele) que se espalhou para outras partes do corpo ou não pode ser removido com cirurgia.

Além disso, essa combinação de medicamentos também costuma ser indicada para tratar câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP).

Contudo, o uso deste medicamento somente é indicado quando o câncer apresenta uma mutação no gene BRAF. Assim sendo, é necessário coletar amostras do tecido tumoral para garantir que o tratamento pode ser realizado.

O que devo saber antes de usar o Mekinist® (Trametinibe)?

De acordo com a bula do Mekinist® (Trametinibe), existem alguns efeitos colaterais que podem surgir com o uso da medicação. Os principais são:

  • dor de cabeça;
  • tontura;
  • pressão alta (hipertensão);
  • tosse;
  • falta de ar e dificuldade para respirar (dispneia);
  • diarreia;
  • náusea;
  • vômito;
  • constipação;
  • dor abdominal;
  • boca seca;
  • lesões na pele (erupção cutânea).

Como devo usar o Mekinist® (Trametinibe)?

A bula do Mekinist® (Trametinibe) recomenda que a medicação seja utilizada exatamente conforme a prescrição do médico responsável, preferencialmente no mesmo horário.

Geralmente, a dose recomendada de Mekinist® (Trametinibe) é de um comprimido de 2 mg por dia.

Quando não devo usar este medicamento?

A bula do Mekinist® (Trametinibe) alerta que o uso do medicamento é contraindicado para pacientes alérgicos a qualquer componente da formulação.

Para consultar a bula original disponibilizada pela farmacêutica Novartis diretamente na ANVISA clique aqui.

Preço do Mekinist® (Trametinibe)

O Mekinist® (Trametinibe) é um medicamento de alto custo, cujo preço de uma única caixa pode ultrapassar o valor de R$27 mil. Nesse sentido (e considerando que o uso é contínuo), muitos pacientes não têm condições de custear o tratamento.

Por isso, a cobertura pelo plano de saúde costuma ser a única alternativa para uma boa parte dos beneficiários.

O plano de saúde cobre o tratamento?

A Lei dos Planos de Saúde (nº 9.656) determina que os planos de saúde devem garantir o tratamento para as doenças previstas pela Classificação Internacional de Doenças (CID-10), da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Art. 10.  É instituído o plano-referência de assistência à saúde, com cobertura assistencial médico-ambulatorial e hospitalar, compreendendo partos e tratamentos, realizados exclusivamente no Brasil, com padrão de enfermaria, centro de terapia intensiva, ou similar, quando necessária a internação hospitalar, das doenças listadas na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde, respeitadas as exigências mínimas estabelecidas no art. 12 desta Lei (….).”

Visto que o câncer faz parte da CID-10, a cobertura do tratamento deve ser garantida pelo plano de saúde. Por isso, havendo recomendação médica para o uso do Mekinist® (Trametinibe), o paciente pode solicitar o custeio da medicação.

plano-de-saúde-cobre-mekinist®-trametinibe

O Mekinist® (Trametinibe) possui registro regular na Agência Nacional de Vigilância Sanitária há mais de 4 anos. Nesse sentido, não devem surgir entraves quanto ao fornecimento da medicação.

Também pode te interessar:

O que é considerado medicamento de alto custo?
Liminar contra planos de saúde: o que fazer quando o plano nega tratamento?
Negativa de cobertura pelo plano de saúde: principais condutas

Negativa de cobertura pelo plano de saúde

Embora o custeio do tratamento seja um direito do beneficiário, não é incomum que os planos de saúde se neguem a cobrir a cobertura do Mekinist® (Trametinibe).

A principal justificativa é que o medicamento não consta no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Geralmente, os planos de saúde alegam que, nesse caso, a cobertura não é obrigatória.

No entanto, de acordo com o próprio entendimento judicial, essa alegação é abusiva e não justifica a negativa de cobertura:

“Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS.” (Súmula 102, TJSP)

Por isso, havendo recomendação médica, o paciente pode acionar a Justiça para contestar a recusa de fornecimento.

Como ajuizar uma ação contra o plano de saúde?

Para ajuizar a ação, é recomendável buscar a orientação de um advogado especialista em Direito à Saúde e Direitos do Consumidor. Além disso, o paciente deve reunir alguns documentos:

  • a recomendação médica do tratamento com Mekinist® (Trametinibe);
  • a negativa de cobertura por escrito (ou então o protocolo de atendimento caso a recusa tenha sido informada por ligação);
  • comprovantes de pagamento (caso o paciente tenha sido obrigado a arcar com as próprias despesas) para solicitar reembolso;
  • o comprovante de residência;
  • a carteirinha do plano de saúde;
  • o contrato com o plano de saúde (se possível);
  • cópias do RG e do CPF;
  • comprovantes de pagamentos das mensalidades (geralmente as duas últimas).

Cabe uma liminar nesse caso?

Sim! Pacientes oncológicos precisam de tratamento com urgência e, por isso, é possível pedir uma liminar para agilizar o processo e iniciar o uso da medicação antes do fim da ação judicial.

Dessa forma, o segurado não precisa esperar o fim do processo (que costuma durar entre 6 e 24 meses) para iniciar o tratamento.

Qual a jurisprudência sobre esses casos?

Como a negativa de tratamento é baseada em abuso por parte das seguradoras, o Poder Judiciário tem decidido favoravelmente aos pacientes, conforme jurisprudência:

“Ementa: “Ementa: PLANO DE SAÚDE – OBRIGAÇÃO DE FAZER C.C REPARAÇÃO DE DANO MATERIAL – NEGATIVA DE COBERTURA DE FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO TAFINLAR® (DABRAFENIB), MEKINIST® (TRAMETINIB) E TRAGRISSO® (OSIMERTINIBE) PARA TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (…).” (TJSP, Apelação 1000520-45.2020.8.26.0291).

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direito à Saúde e Direitos do Consumidor. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581. O envio de documentos é totalmente digital.

Imagem em destaque: Burst (Sarah Pflug)

0Shares
0