Home Artigos e notícias Anvisa aprova tratamento inovador contra linfoma não Hodgkin, um tipo de câncer do sangue

Anvisa aprova tratamento inovador contra linfoma não Hodgkin, um tipo de câncer do sangue

Saiba qual o novo tratamento para linfoma não Hodgkin aprovado no Brasil.

15 de novembro de 2022 - Atualizado 06/12/2022

Em outubro de 2022, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou a aprovação do Car-T Cell, o tratamento inovador contra linfoma não Hodgkin (LNH) da empresa norte-americana Kite Pharma.

A terapia é voltada para pacientes que já fizeram o tratamento oncológico, mas não foram curados ou apresentaram recorrência da doença, podendo ser fornecida pelo plano de saúde mediante prescrição médica.

O que é linfoma não Hodgkin?

Assim como o linfoma de Hodgkin, o linfoma não Hodgkin é um tipo de câncer do sangue, assim como a leucemia.

O LNH tem origem no sistema linfático, que é parte do sistema imunológico, sendo responsável por coletar e redirecionar a linfa, um líquido claro que contém linfócitos (células de defesa; glóbulos brancos).

O sistema linfático é composto de nódulos linfáticos (linfonodos), órgãos e estruturas envolvidas na produção de linfócitos, como a medula óssea, tecido linfático associado ao sistema digestivo, o timo, o baço e as amígdalas.

Como o tecido linfático é encontrado em todo o corpo, o linfoma não Hodgkin pode começar em qualquer lugar. Além disso, esse tipo de câncer do sangue pode acometer crianças, adolescentes e adultos.

Por que o Car-T Cell é considerado um tratamento inovador contra linfoma não Hodgkin?

O tratamento com Car-T Cell modifica geneticamente os linfócitos, induzindo uma resposta imunológica que leva o sistema de defesa do corpo a reconhecer e combater o câncer do sangue.

De acordo com a Anvisa, a terapia com células geneticamente modificadas vem se mostrando segura e eficaz no tratamento de pacientes graves.

Para Jayr Schmidt Filho, líder do centro de referência de neoplasias hematológicas do A.C Camargo Cancer Center, o “Yescarta oferece uma nova opção de tratamento com potencial curativo para pacientes com prognóstico ruim e que atualmente possuem poucas opções de tratamento”.

Também pode te interessar:

Mozobil® (Plerixafor) pelo plano de saúde
Como funciona a cobertura do plano de saúde para o tratamento do câncer?
Quando o medicamento de alto custo é concedido por liminar na Justiça?

A importância do acesso ao tratamento

Por razões ainda desconhecidas, o número de casos de linfoma não Hodgkin duplicou nos últimos 25 anos, principalmente entre pessoas com mais de 60 anos. Ademais, esse é o linfo mais incidente na infância. 

Por isso, o combate ao linfoma não Hodgkin é de extrema importância e, para isso, é fundamental que o paciente tenha acesso ao tratamento.

Mas, infelizmente, o tratamento oncológico costuma ser de alto custo, especialmente quando envolve novas tecnologias, como é o caso do Car-T Cell.

Nesse sentido, embora ainda esteja sob aprovação de preço junto à Câmara Brasileira de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), é muito provável que o Yescarta entre no mercado como um produto caro.

Somando isso ao fato de que a negativa de cobertura de tratamentos de alto custo é uma prática recorrente nos planos de saúde, muitos pacientes podem ser impedidos de acessar o produto, sendo privados da chance de cura.

No entanto, é importante estar atento: em caso de negativa de cobertura indevida ou injustificada, é possível acionar a Justiça e solicitar o fornecimento do Car-T Cell pelo convênio médico.

Como acionar a Justiça?

Para ajuizar a ação, é recomendável buscar a orientação de um advogado especialista em Direito à Saúde e Direitos do Consumidor e também reunir documentos que comprovem a abusividade sofrida.

O advogado especializado em ações contra o plano de saúde possui experiência em casos de negativa de cobertura de procedimentos e pode orientar o paciente, a partir do conhecimento específico em Direito à Saúde, para que as chances de êxito sejam mais altas.

Ademais, contar com os documentos certos, que indiquem a necessidade do tratamento e o prejuízo causado pela negativa, faz muita diferença na hora de ajuizar a ação.

Quais documentos são necessários para ajuizar a ação?

Os documentos podem variar de acordo com as peculiaridades do caso. No entanto, os mais importantes costumam ser:

  • a prescrição médica e o relatório médico demonstrando que o tratamento com Car-T Cell é o mais indicado para o seu caso,  mencionando a vantagem deste tratamento com relação a outros disponíveis, e justificado através de estudos científicos (quanto mais detalhes o médico incluir no relatório, melhor);
  • a negativa de cobertura por escrito (ou então o protocolo de atendimento caso a recusa tenha sido informada por ligação);
  • comprovantes de pagamento (caso o paciente tenha sido obrigado a arcar com as próprias despesas) para solicitar reembolso;
  • o comprovante de residência;
  • a carteirinha do plano de saúde;
  • o contrato com o plano de saúde (se possível);
  • cópias do RG e do CPF;
  • comprovantes de pagamentos das mensalidades (geralmente as duas últimas).

Quanto tempo dura o processo judicial?

Uma ação judicial contra o plano de saúde costuma durar entre 6 e 24 meses. No entanto, visto que tratamentos oncológicos devem ser iniciados com urgência, é possível pedir uma liminar nesse caso.

A liminar é uma decisão concedida pelo Tribunal dentro de poucos dias, e permite o início do tratamento antes do fim do processo.

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direito à Saúde e Direitos do Consumidor. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581.

Todo o envio dos documentos e os trâmites do processo são feitos de forma digital, sem necessidade da presença do cliente.

Imagem: FreeImages (jupiterimages)

Avatar
Relate seu caso online
Shares
Atendimento Rosenbaum Advogados

Atendimento Rosenbaum Advogados

Olá! Podemos ajudá-lo(a)? Teremos prazer em esclarecer suas dúvidas.