Home Artigos e notícias Reembolso integral das passagens aéreas de família impedida de viajar por problemas de saúde

Reembolso integral das passagens aéreas de família impedida de viajar por problemas de saúde

07 de abril de 2021

NULL

Os passageiros garantiram, na Justiça, a devolução dos R$9.7 mil gastos.

A viagem dos sonhos era ir a família toda ao Reino Unido. Apos economizar por anos, conseguiram comprar as passagens em uma agência de viagens. Ao todo, foram quatro passagens para passar as férias, pai, mãe e as duas filhas.

No entanto, alguns dias antes da viagem, uma das filhas dos passageiros adoeceu, sendo diagnosticada com pneumonia comunitária complicada. Diante disso, a família não pôde pegar o voo, pois não havia previsão de alta hospitalar.

Assim sendo, os passageiros entraram em contato com a agência de viagens solicitando o cancelamento e o reembolso integral das passagens. No entanto, a empresa retornou o contato afirmando que a companhia aérea negou o pedido.

Mesmo diante da negativa, a família seguiu tentando conseguir o ressarcimento dos R$9.7 mil retidos pela empresa. Contudo, após muita insistência, a transportadora reembolsou apenas R$2.7 mil.

Diante disso, não restou outra alternativa aos passageiros se não recorrer ao judiciário para denunciar a prática abusiva da companhia aérea.

Família move ação contra a companhia aérea e a agência de viagens para garantir seus direitos

Por meio de advogado especialista em ações contra companhias aéreas, a família entrou na Justiça pedindo uma indenização por danos materiais de R$7 mil, valor correspondente ao montante necessário para garantir o reembolso integral das passagens.

Em contrapartida, a companhia aérea alegou que o reembolso só cabe quando as passagens são canceladas no prazo de 24h, contados a partir da confirmação do recebimento dos bilhetes aéreos.

Por isso, para a família não cabia o reembolso integral, pois solicitou o cancelamento das passagens um mês após ter efetuado a compra. Além disso, segundo a empresa, os bilhetes promocionais comprados pelos passageiros não eram reembolsáveis.

passagem-não-reembolsável
A informação de que o bilhete não é reembolsável deve constar na passagem. | Freepik (@rawpixel.com)

Já a agência de viagens afirmou que apenas serviu como um “meio de conexão” entre as partes e não poderia ser responsabilizada, pois o dano foi causado pela companhia aérea.

No entanto, a juíza da ação entendeu que ambas as empresas deveriam responder pelo transtorno, e não apenas a transportadora.

Quanto ao mérito do ressarcimento, foi ressaltado que “há que se ponderar que as regras do bilhete não reembolsável são claras, aceitando a requerente, quando da compra, os termos e condições que lhe foram impostas: o não reembolso e a cobrança de multas pela Cia. Aérea”.

Visto que o cancelamento se deu 10 dias antes da data do voo, a companhia aérea teve pouco tempo para renegociar os bilhetes. Por isso, a juíza entendeu que era justa a retenção de parte do valor pela empresa.

“Dessa forma, a procedência parcial é de rigor, para que as rés sejam condenadas a devolver, além do valor das taxas (já devolvidas), 80% do valor dos bilhetes aéreos, autorizando a retenção de 20% dos valores”, decidiu.

Recurso garante o reembolso integral das passagens aéreas

Diante da decisão em primeira instância, os passageiros garantiram apenas o reembolso de R$5.6 mil pelas passagens não utilizadas, ficando com mais de R$4 mil de prejuízo. Por isso, a família decidiu recorrer, pedindo a devolução integral do valor.

De acordo com os desembargadores da ação, “respeitado profundamente o entendimento adotado em primeiro grau, o ressarcimento integral dos valores pagos, conforme pretendido pelos recorrentes, é mesmo cabível”.

Eles explicaram que os passageiros não poderiam impedir o adoecimento da filha, nem mesmo os efeitos da situação. Nesse sentido, a companhia aérea deveria fazer o reembolso integral das passagens.

Assim sendo, a companhia aérea e a agência de viagens foram condenadas ao pagamento de R$7 mil por danos materiais.

Processo nº: 1012093-81.2019.8.26.0011.

Também pode te interessar:

Reembolso de passagem aérea na pandemia
Cancelamento de voo, reembolso de passagens e alterações da Lei nº 14.034/20 nos Direitos do Passageiro Aéreo
Coronavírus: quando reembolso para cancelamento de passagem aérea

Quando o cancelamento gera o direito de reembolso integral das passagens?

Originalmente, a Resolução 400/2016 da Agência Nacional de Aviação Civil era responsável por tratar das regras para reembolso. No entanto, com a pandemia, foi necessário criar uma série de regras adaptadas ao momento de crise, surgindo então a Lei 14.034/2020.

reembolso-integral-das-passagens-lei
Antes de viajar, é recomendável que o passageiro pesquise seus direitos. | Freepik (@katemangostar)

Diante disso, é necessário que o passageiro esteja atento às regras que se aplicam à data dos bilhetes aéreos:

Voos programados entre 19 de março de 2020 e 31 de outubro de 2021

As viagens programadas dentro desse período seguem a Lei 14.034/2020. Nesse caso, para garantir o reembolso integral das passagens o viajante deve:

  • realizar a compra com antecedência mínima de 7 dias para a data de embarque;
  • desistir da passagem aérea em até 24 horas do recebimento do seu comprovante de compra.

Feito isso, a companhia aérea tem 7 dias para ressarcir o valor, que deverá ser devolvido por um meio de pagamento equivalente ao utilizado pelo viajante.

Caso o passageiro não cumpra esses requisitos, o prazo para reembolso é de 12 meses e, além disso, podem ser cobradas multas contratuais.

Voos programados até 18 de março de 2020 e a partir de 1º de novembro de 2021

As viagens programadas dentro desse período seguem a Resolução 400/2016 da ANAC. Nesse caso, para garantir o reembolso integral das passagens o viajante deve:

  • realizar a compra com antecedência mínima de 7 dias para a data de embarque;
  • desistir da passagem aérea em até 24 horas do recebimento do seu comprovante de compra.

O prazo para reembolso é de 7 dias e a empresa deve usar um meio de pagamento equivalente ao utilizado pelo viajante. A empresa tem 1 semana para devolver o valor mesmo em casos de cancelamento que fogem desses requisitos, mas pode cobrar multas contratuais.

O que fazer diante da negativa de reembolso das passagens aéreas?

O reembolso integral das passagens aéreas é um direito dos passageiros e deve ser garantido pelas empresas. Ainda que o contexto de pandemia seja muito delicado, as companhias não devem usar isso como justificativa para cometer práticas abusivas.

Por isso, diante da violação das regras da ANAC, o viajante pode consultar um advogado especialista em Direitos do Passageiro Aéreo e Direitos do Consumidor e discutir a possibilidade de acionar a Justiça com pedido de indenização.

Para ajuizar a ação, é recomendável juntar alguns documentos que podem ser importantes para o processo. Alguns exemplos são:

  • cópias de documentos pessoais (RG, CPF e comprovante de residência no Brasil);
  • comprovante de compra da passagem;
  • recibos ou notas fiscais
  • trocas de e-mails e mensagens com a companhia aérea;
  • a negativa de reembolso;

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direitos do Passageiro Aéreo e Direitos do Consumidor. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581. O envio de documentos é totalmente digital.

Imagem em destaque: Freepik (@gpointstudio)

0Shares
0