Home Artigos e notícias 7 dicas para um melhor contrato de imóvel na planta

7 dicas para um melhor contrato de imóvel na planta

Confira algumas orientações que podem ser úteis na hora de comprar um imóvel na planta.

11 de maio de 2021

string(5) "fundo"

O contrato de imóvel na planta é o documento mais importante da relação de compra e venda, contendo todos os detalhes, direitos e deveres de ambas as partes envolvidas no negócio.

Por isso, o consumidor deve se atentar às cláusulas contratuais e ler todos os detalhes com atenção antes de assinar o documento. Dessa forma, é possível analisar a situação como um todo e decidir se a compra do imóvel é ou não um bom negócio.

Confira as 7 principais dicas que podem ajudar o comprador na hora de fechar o contrato de imóvel na planta.

1) Pesquise sobre a construtora

Pesquisar sobre a incorporação imobiliária é um passo crucial antes de assinar o contrato de imóvel na planta. O consumidor deve conhecer a procedência da empresa com a qual pretende fechar negócio.

Uma boa pesquisa sobre o histórico da construtora pode poupar o consumidor de entrar em um negócio desvantajoso. Quando o comprador opta por uma empresa de boa reputação, há mais garantia de sucesso na aquisição do imóvel.

Por isso, é fundamental investir algum tempo para saber mais sobre a origem da construtora, as obras que já foram entregues e o relacionamento da instituição com seus clientes passados e atuais.

Para isso, o consumidor pode procurar:

  • opiniões sobre as obras já entregues;
  • experiências de pessoas que já foram clientes da empresa;
  • reputação da empresa em sites como o Reclame Aqui;
  • histórico de obras da empresa;
  • reclamações por atraso;
  • reclamações referentes aos materiais utilizados em obras já entregues;
  • queixas de outros clientes relativas a contratempos em geral.

2) Guarde todos os documentos, inclusive o contrato de imóvel na planta

O contrato de imóvel na planta contém todos os detalhes sobre o compromisso firmado entre a construtora e o consumidor. Por isso, é importante que o comprador guarde esse documento com cuidado.

Isso porque, ainda que a incorporação imobiliária tenha boa reputação, é possível que surjam alguns imprevistos. Nesse sentido, o contrato de imóvel na planta serve como uma garantia ao consumidor em caso de violação dos seus direitos.

No entanto, esse não é o único documento que pode ser útil para o proprietário (ou futuro proprietário) do imóvel. O comprador também pode guardar folhetos, e-mails, fotos de maquete ou qualquer outra coisa que sirva como evidência do que foi combinado.

3) Faça uma análise de toda a documentação referente ao imóvel

Antes mesmo do início da construção, o consumidor pode conhecer todas as características do imóvel na planta. Para isso, a incorporadora deve apresentar as informações sobre a propriedade no memorial descritivo e no registro de imóvel.

o-que-deve-ter-um-contrato-de-imóvel-na-planta
O consumidor deve saber os detalhes da propriedade que pretende comprar. | Imagem: Freepik (@mindandi)

É essencial analisar essas informações com cuidado e atenção a todos os detalhes para evitar surpresas desagradáveis.

4) Esteja atento às condições de pagamento previstas pelo contrato de imóvel na planta

Ao fechar um contrato de imóvel na planta, o consumidor está concordando em adquirir um bem que ainda não existe. Isso porque o processo de compra é iniciado antes ou durante a construção da propriedade.

Por isso, geralmente, além de adquirir o imóvel por um preço vantajoso, o comprador também pode contar com condições de pagamento mais flexíveis.

A entrada sempre é de até 30% do valor total do imóvel e, para pagar o restante, o consumidor pode optar entre:

  • pagamento à vista: essa modalidade é a melhor para garantir bons descontos e evitar o pagamento de juros;
  • financiamento imobiliário: nesse caso, o consumidor dá 20% de entrada (que pode ser paga à vista ou em parcelas), e as outras prestações são calculadas com base no valor do empreendimento e o número de meses até a previsão de entrega das chaves, com o acréscimo dos juros;
  • consórcio: caso opte pelo consórcio, o comprador não paga juros, mas em compensação deverá arcar com outros custos, como o seguro e taxa de administração, por exemplo.

No entanto, é importante que o comprador esteja atento aos juros e taxas aplicados, especialmente quando o método de pagamento escolhido for o financiamento por meio da própria construtora.

Caso perceba alguma cobrança indevida ou taxas muito altas, o consumidor deve contestar o contrato de imóvel na planta.

Também pode te interessar:

Atraso na entrega de imóvel na planta
Tudo sobre distrato de imóvel na planta
Mitos e verdades sobre imóvel na planta

5) Confira a data prevista para a entrega das chaves

O contrato de imóvel na planta deve estabelecer de forma clara qual é a data prevista para a entrega das chaves. Essa previsão é essencial para que o consumidor possa se programar financeiramente e calcular sua mudança.

No entanto, é possível que a entrega da obra atrase alguns dias em relação à data prevista em contrato. Geralmente, essa situação é prejudicial ao comprador, porém não é sempre que a construtora será penalizada.

De acordo com a Lei do Distrato (Lei nº 13.786/2018), as empresas podem atrasar a obra em até 180 dias sem receber nenhuma penalidade. Se esse prazo de tolerância for excedido, o comprador pode optar entre:

prazo-de-entrega-contrato-de-imóvel-na-planta
A construtora deve fazer o possível para cumprir o prazo previsto em contrato. | Imagem: Freepik (@pressfoto)
  • fazer a rescisão contratual e receber o reembolso integral do valor pago pela unidade dentro de 60 dias;
  • receber mensalmente uma multa moratória correspondente a 1% do valor pago à incorporadora (com correção monetária).

6) Leia atentamente a cláusula de distrato

Como observado acima, o consumidor sempre estará exposto ao surgimento de imprevistos ao adquirir um imóvel na planta. Por isso, a Lei do Distrato prevê que em algumas situações seja possível desfazer o contrato.

Esse direito é previsto pelas próprias cláusulas do contrato de imóvel na planta, sendo assegurado tanto ao comprador quanto à incorporadora. No entanto, para executá-lo é necessário que ocorra uma das seguintes situações:

  • descumprimento contratual (inadimplência, atraso na entrega, etc);
  • acordo entre ambas as partes pelo encerramento da relação de consumo.

Ademais, é necessário que o consumidor esteja atento às regras contratuais referentes ao processo. Isso porque, geralmente, o distrato de imóvel na planta gera algumas obrigações, como por exemplo a devolução de valores e o pagamento de multa.

Além disso, existem algumas regras gerais previstas pela legislação. Confira:

  • atraso na entrega: as empresas podem atrasar a obra em até 180 dias sem receber nenhuma penalidade;
  • prazo para pagamento dos valores: 30 dias para imóveis com patrimônio de afetação e 180 dias para outros empreendimentos (prazo contado a partir da liberação do Habite-se);
  • revenda da unidade: o desistente pode fazer a concessão dos direitos e deveres do contrato de financiamento para outra pessoa;
  • taxa de corretagem: a construtora pode reter em torno de 5% a 6% do valor pago pelo comprador;
  • tempo de arrependimento: o consumidor que adquirir o imóvel fora da empresa (em uma feira ou stand, por exemplo) tem até 7 dias para desistir da compra após a assinatura do contrato, sem precisar pagar multa;
  • valor da multa por desistência: até 50% dentro do regime de patrimônio de afetação e até 25% fora do regime.

7) Busque a orientação de um advogado especialista para avaliar o contrato de imóvel na planta

Geralmente o contrato de imóvel na planta não é tão burocrático pois a construção é nova e não tem um proprietário anterior. No entanto, isso não significa que a execução desse documento seja simples.

Um contrato de compra e venda de imóvel envolve diversos detalhes que devem ser compreendidos de forma clara pelo comprador. Sem esclarecimento, podem surgir surpresas desagradáveis que colocam o consumidor em uma posição delicada.

Adquirir um imóvel exige a transação de um grande volume de dinheiro e, por isso, é essencial que o consumidor tome todos os cuidados a fim de garantir mais segurança para o seu negócio.

Para isso, é recomendável contar com a orientação de um advogado especialista em Direito Imobiliário e Direitos do Consumidor e fazer uma análise completa das cláusulas do contrato de imóvel na planta.

O Escritório Rosenbaum Advogados tem vasta experiência no setor de Direito Imobiliário. O contato pode ser feito através do formulário no site, WhatsApp ou pelo telefone (11) 3181-5581. É possível enviar documentos de forma totalmente digital.

Imagem em destaque: Freepik (@freepik)

0Shares
0